Eu Li – Esconda-se

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014
Uma mulher que foi obrigada a fugir — desde criança— de uma possível ameaça. Uma ameaça que seu pai via em todo lugar, mas que a polícia nunca considerou. Um antigo e desativado sanatório para doentes mentais que pode ter muito mais a esconder entre suas paredes do que homens e mulheres entorpecidos por remédios.
Uma história de rancor entre membros de uma mesma família que nunca conseguiram superar os episódios de violência doméstica que presenciaram.
Um pingente que foi parar em mãos erradas — e a cena de um crime brutal: seis meninas mortas e mumificadas há mais de trinta anos.
Agora, cabe à famosa detetive D.D. Warren descobrir quem foi o serial killer que cometeu esta atrocidade e que motivação infame deformou sua mente.

 Autora: Lisa Gardner
 Título Original: Hide
 Série: Detetive D.D. Warren #2
 Editora: Novo Conceito
 Capa: Equipe Novo Conceito
 Tradutor(a): Cássia Zanon
 Editor: -
 ISBN: 978-85-8163-310-7
 Páginas: 400
 Skoob

O problema é que não há trilha sonora para a vida real. Nos filmes, sabemos quando alguma coisa ruim vai acontecer porque é o que nos diz o próprio sim. Não há uma pessoa cujo coração não dispare ao ouvir a música-tema de Tubarão e, francamente, isso é algo reconfortante. Todos gostamos dos nossos sinais. Eles dão ao mundo uma sensação de ordem. Coisas ruins podem acontecer, mas apenas depois de o som de fundo tocar tãn-dãn, tãn-dãn, tãn-dãn, tãn-dãn, tãn-dãn...

Capítulo 30; Página 303.

Desde pequena, Anabelle Granger vive fugindo com seus pais. De um lado para o outro do país e sempre mudando de nome, para não deixar pistas. Tudo começou quando presentes começaram a ser deixados para ela na varanda de sua casa, e seu pai, extremamente preocupado com sua segurança, não aguentou mais. Nada de amigos, nada de contato, seu pai sempre a preparou muito bem para confrontos diretos e fugas rápidas. Com o tempo, Anabelle perdeu a mãe, restando apenas o pai como companhia nas fugas. Quando seu pai também morre, Anabelle perde qualquer chance de saber porque e de quem tem fugido por todos aqueles anos.

Nos dias de hoje, corpos de meninas são encontrados no subsolo do terreno de um Hospital Psiquiátrico, e a Detetive Warren começa a investigar um dos casos mais brutais de sua carreira. Essas duas histórias se encontram, quando uma das vítimas parece ser Anabelle Granger, que se assusta com a notícia, e está disposta a saber da verdade, mesmo que para isso, tenha de deixar de ser uma garota comum e ajudar nas investigações de um crime. E isso, sem dúvida, pode custar a sua vida.

Mesmo tendo outros livros da autora aqui, este é o primeiro que leio. Por ser de um gênero literário que adoro, já estava na hora de saber se eu cairia nos encantos da Gardner, o que, sem dúvida alguma, aconteceu.

Sua escrita é densa, mas com pitadas de sarcasmos, ironias e passagens engraçadas, que acabam fazendo a leitura ser rápida e ágil. Lisa nos apresenta os fatos aos poucos, dosando muito bem as informações que passa ao leitor, o que em livros do gênero, tem que ser muito bem feito para que o leitor não se canse e deixe a leitura de lado. Junto a isso, somos sempre apresentados a novas histórias de diferentes personagens.

Eles são muito bem construídos, e logo conquistam a afinidade do leitor. Warren é aquela mulher forte, decidida e capaz de tudo para solucionar o mais rápido possível seu caso. Bobby é um antigo namorado de Warren, e que está trabalhando junto com ela no caso, um homem tão decidido e cabeça dura quanto ela. A autora nos apresenta uma tensão entre eles, o que provavelmente foi abordado em outros livros dessa série. Mas o fato de não ter lido, não atrapalhou a leitura, uma vez que a autora não foca muito nos dois.

Minha queridinha é sem dúvida Anabelle, que teve de construir sua personalidade em meio a instabilidade que é sua vida. Ela é corajosa, inteligente e o que mais me chamou atenção em todo o livro, foi a forma como Gardner explorou seu mundo, e também como não fez dela apena suma vítima. Ela é de grande ajuda no desenrolar do mistério.

Não gostei muito desta capa, mesmo que tenha a ver com a história. Parece artificial demais, e senti falta de algo bem elaborado para refletir a história com mais força. Já a diagramação e a revisão estão de parabéns.

Lisa Gardner conseguiu me conquistar, e vou fazer o máxima pra ler os outros livros dela que tenho aqui, o mais rápido possível.




1 Comentário

  1. Opaaa :]

    A capa é a mais fraca em relação aos outros títulos que a NC lançou porém são tão bons quanto. Lisa é minha autora de policiais preferida. Não tem quem barre essa mulher, ela faz eu devorar esses livros gigantes em horas. DEUSA <3

    http://www.ohmydogestolcombigods.com/

    ResponderExcluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.