Eu Li – O Clã dos Magos

terça-feira, 17 de setembro de 2013
Todos os anos, os magos de Imardin reúnem-se para purificar as ruas da cidade dos pedintes, criminosos e vagabundos. Mestres das disciplinas de magia, sabem que ninguém pode opor-se a eles. No entanto, seu escudo protetor não é tão impenetrável quanto acreditam. Enquanto a multidão é expurgada da cidade, uma jovem garota de rua, furiosa com o tratamento dispensado pelas autoridades a sua família e amigos, atira uma pedra ao escudo protetor, colocando nisso toda a raiva que sente. Para o espanto de todos que testemunham a ação, a pedra atravessa sem dificuldades a barreira e deixa um dos mágicos inconsciente. Trata-se de um ato inconcebível, e o maior medo da Clã de repente se concretiza: uma maga não treinada está à solta pelas ruas. Ela deve ser encontrada, e rápido, antes que seus poderes fiquem fora de controle e destruam a todos.


Autora: Trudi Canavan
Título Original: The Magicians Guild (Livro #1)
Série: Trilogia do Mago Negro
Editora: Novo Conceito
Capa: Equipe Novo Conceito
Tradutor(a): Robson Falchetti Peixoto
Editor: -
ISBN: 978-85-8163-000-7
Páginas: 446
Skoob


Sonea observou atentamente, boquiaberta, quando o mago mais velho conduziu o parceiro até o chão. A zombaria dos jovens cessou. O silêncio espalhou-se amplamente, como fumaça, pela multidão.
Em seguida, exclamações surgiram quando mais dois magos se lançaram num salto para agachar-se ao lado do companheiro caído. Os amigos de Harrin, e outros em meio à multidão, começaram a vibrar. O barulho retornou à praça quando as pessoas passaram e murmurar e a contar em voz alta o que acabara de acontecer.
Sonea baixou a cabeça e olhou para as mãos. Funcionou. Quebrei a barreira, mas não é possível. A menos que...
A menos que eu tenha usado mágica.
Capítulo 1; Página 24.


Todos os anos, os magos de Imardin reúnem-se para purificar as ruas da cidade dos pedintes, criminosos e vagabundos. Sonea, depois de ser expulsa juntamente com seus tios, Jonna e Ranel, da cidade pelos magos, vai morar nas favelas. Um lugar sujo, que fica além dos muros de Imardin. E quando a purificação chega até onde a garota está, ela canaliza toda a raiva que sente pelo Clã, e mesmo sabendo que a pedra em suas mãos não ultrapassará a barreira mágica dos magos, ela a atira.

Só que o que todos achavam impossível acontece. A pedra ultrapassa a barreira e atinge um mago que cai ferido. Depois disso, o que resta a ela é fugir do Clã com a ajuda de seu antigo amigo Cery. Só que apenas alguém com poderes mágicos poderia ter feito aquilo acontecer, então, o pior temor do Clã se realizou, uma maga nunca antes treinada está por ai, usando seus poderes, sem saber que isso, pode acabar mal para ela e para todos ao seu redor. O Clã então tentará encontrá-la para que possam decidir o que fazer com a garota.

Falou em magia, eu já estou lá, sedento pelo livro. Então, as expectativas quanto a este livro eram altas. A narrativa é toda em terceira pessoa, variando os pontos de vista. A maioria das vezes por Sonea, outras por Cery e outras pelo Clã. E isso é algo bom, pois quando um livro mostra diferentes pontos de vistas e tem muito a explorar, esse modo de narrar é bem mais interessante e nos mostra bem mais informações sobre o mundo em questão. E ainda falando sobre a narrativa, a autora é bem detalhista, e isso não chega a ser algo exagerado, sempre na medida certa para não cansar seu leitor.

A história em si é criativa, e cheia de pontos que com certeza surpreende quem está lendo. Gostei bastante de toda a estrutura criada para os magos. O desenrolar é bastante lento, mostra muito de Sonea tentando aprender magia, mesmo sem a ajuda do Clã. Isso não é algo constante, uma vez que também conhecemos mais sobre Cery em alguns capítulos, e o que ele é capaz de fazer, para que os ladrões continuem escondendo a garota. As coisas só começam realmente a correr mais depressa, quando o livro passa da metade.

Sobre os personagens, tenho que dizer que meu queridinho é o Cery entre os personagens ladrões, que faz de tudo por Sonea, mostrando-se um verdadeiro amigo. Sobre ela não tenho muito a dizer, sinceramente, esperava mais da personagem, não me impressionou, espero que isso melhore nos próximos livros. E em se tratando dos magos, fica bem difícil escolher um, às vezes é Rothen, às vezes Dannyl.

Um ponto negativo, e o que quase me fez gritar, é que o livro só começa a ficar realmente alucinante, depois e muito do meio. E senti que a partir dali, o desenrolar é bem acelerado. A autora perdeu muito tempo mostrando Sonea fugindo, fugindo e fugindo, já estava quase insuportável. Espero que nos próximos livros, a magia esteja mais presente.

A capa é linda, a diagramação simples, não encontrei nenhum erro de revisão e o kit é super fofo. O Clã dos Magos é um bom livro introdutório, que deixa a desejar em certos pontos, mas que termina deixando o leitor ávido por mais. O livro leva três estrelas.





2 comentários

  1. Não achei que fosse fazer uma resenha desse. Ficou boa, embora discorde que a fuga tenha sido assim tão massante, afinal, era politicamente necessário, os ladrões queriam ela.. o que faz as coisas demorarem no livro é que ele trabalha muitos personagens, e no dois não melhora (calma, isso é bom), Agora temos o Lorlen, o Dannyl com uma parte só pra ele, ainda não cheguei no Cery, mas o lorde supremo tbm tem sua importancia absurda.. A Sonea está sendo mais bem explorada, e você chega a torcer para ela aprender a invocar meteoros logo de tanta raiva que você fica de outros personagens... Se acham o Fergun um escroto então leiam o segundo hahahah. O rothen é o professor perfeito, o Dannyl se descobre extremamente competente, e o Lorlen, ele é foda xP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então né Fillipe, resenhei, até porque pretendo continuar lendo a trilogia. Bem, eu entendo esse trabalho dela nos personagens, mas não funcionou, é muito core de um lado pra outro que me deu raiva.
      Seja como for, espero gostar mais do dois, até porque, bem no finalzinho desse, as coisas ficam muuuuuuuito boas *-*

      Elder Koldney

      Excluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.