Eu Li – Simplesmente Ana

sábado, 3 de agosto de 2013
Imagine que você descobre que seu pai é um rei. Isso mesmo, um rei de verdade em um país no sudeste da Europa. E o rei quer levá-la com ele para assumir seu verdadeiro lugar de herdeira e futura rainha… Foi o que aconteceu com Ana. Pega de surpresa pela informação de sua origem real, Ana agora vai ter que decidir entre ficar no Brasil ou mudar-se para Krósvia e viver em um país distante tendo como companhia somente o pai, os criados e o insuportável Alex. Mudar-se para Krósvia pode ser tentador — deve ser ótimo viver em um lugar como aquele e, quem sabe, vir a tornar-se rainha —, mas ela sabe que não pode contar com o pai o tempo todo, afinal ele é um rei bastante ocupado. E sabe também que Alex, o rapaz que é praticamente seu tutor em Krósvia, não fará nenhuma gentileza para que ela se sinta melhor naquele país estrangeiro. A não ser… A não ser que Alex não seja esta pessoa tão irascível e que príncipes encantados existam. Simplesmente Ana é assim: um livro divertido, capaz de nos fazer sonhar, mas que — ao mesmo tempo — nos lembra das provas que temos que passar para chegar à vida adulta.

Autores: Marina Carvalho
Título Original: Simplesmente Ana (Livro #1)
Série: Simplesmente Ana
Editora: NovoConceito
Páginas: 446
Skoob

 Primeiro Laika, no meu país, é nome de cachorro, sim. Minha prima de Itabirito já teve uma poodle com esse nome.

Segundo: namorada? Como eu não ficara sabendo, depois de todo esse tempo? Não que eu tivesse direito a algum tipo de explicação e tal, mas esse é o tipo de informação que não se deixa de fora. Não é?
Bom, está certo que eu nunca perguntei – e o assunto nunca surgiu de fato. Seria meio esquisito se Alexander tivesse dito: “Olha, aquela é a Caverna do Pirata. Ah! E eu tenho uma namorada”. Ou: “Você se parece muito com o Andrej. Nem precisa fazer teste de DNA. E, a propósito, eu tenho namorada”.
Mesmo assim, eu já deveria saber disso. Não é por nada, mas pelo menos eu teria um fortíssimo motivo para parar de colocar na mesma frase os nomes de Alexander e Victoria’s Secret. Se pelo menos Artur assumisse mais seu papel de quase namorado, eu pararia de imagina coisas com outros caras....
Capítulo 6; Página 77.




Para que serve o Facebook? Para conversar com os amigos, postar fotos e mensagens legais (ou não), para encontrar um pai que você nunca viu na vida...
Sim, é exatamente isso que acontece a Ana, só que no lugar dela encontrar o pai, foi ele quem a encontrou. Um belo dia em uma dessas olhadinhas de rotina no Facebook, eis que ela vê a seguinte mensagem: “Desculpe, mas acho que sou seu pai”. Não é preciso nem dizer que isso foi um super choque não é? Afinal, há 20 anos Ana viveu somente com a mãe e com a história de que seu pai tinha sido um caso de amor estrangeiro/passageiro e que nunca quis saber dela, e do nada aparece um homem querendo conhecê-la. Claro que havia algo que nunca fora contado a ela, e nem para seu pai, pelo visto.

Então a mãe de Ana acaba explicando toda a história verdadeira para a filha, que leva tudo de maneira muito madura e adulta e começa a aceitar (e gostar depois de um tempo) o fato de ter um pai, e um pai que quer leva-la para conhecer o seu país que agora por questões de sangue é o país dela também. Por que o pai da Ana é um rei. OMG! Já não bastasse ter que conhecer e se acostumar com a ideia de um pai que você nunca viu, esse pai é a autoridade máxima de um país na Europa, fazendo de Ana uma princesa da noite para o dia.

O pai de Ana a convida para conhecer a Krósvia, país de onde vem metade do seu DNA e mesmo com um certo receio, ela aceita, já que o seu pai faz muita questão de criar laços com a garota. Então eles partem juntos, ela cheia de medos e receios, por ter de conhecer um país diferente, com costumes diferentes e pessoas novas. Algumas vão cativá-la (outras nem tanto) e vão fazê-la amadurecer e descobrir partes dela que nem mesmo ela sabia que existiam.

O que eu posso dizer desse livro? Lindo? Maravilhoso? Fofo? Engraçado? Tudo isso e muito mais! Gente foi uma das leituras mais gostosas e prazerosas que eu já tive, de verdade.
Mas preciso confessar que nos primeiros capítulos foi um pouco difícil pra mim separar a história da Marina com a história da Meg Cabot (é eu sei, que coisa feia heim Fernanda). Mas é por que eu li o primeiro livro da série diário da princesa há um bom tempo atrás (e, diga-se de passagem, o filme é mil vezes melhor) e bem, as semelhanças com a história da Marina são inevitáveis, mas antes que vocês achem ruim e parem de ler a resenha, eu preciso dizer: isso só dura os três primeiros capítulos, quando ainda está sendo apresentado ao leitor os personagens e o cenário da história, depois disso eu nem sequer fiz mais nenhuma comparação (juro).

Bom, o livro é narrado em primeira pessoa, ou seja, na visão da Ana e a maior parte da História se passa na Krósvia, o país ao qual o pai da Ana é rei. E o que eu posso dizer sobre a Ana? Gente eu adorei a garota, ela é uma brasileira típica e isso foi um dos pontos que eu mais gostei. Tem muitas referencias do Brasil (Será que é por que a autora é nacional? Dã!) e várias características nossas. Em muitos momentos eu me identifiquei com a Ana e podia entender como ela se sentia ou o porquê dela agir de algumas maneiras. Ela é autêntica e extrovertida, sempre leva as coisas pelo lado cômico, mas também é bem dramática às vezes e essa mistura das duas características, faz você dar boas risadas.

Citar outros personagens em um livro onde todos, quer dizer quase todos os personagens tem alguma característica legal, é muito difícil. Todos são muito bem construídos e marcantes e te conquistam em algum momento da história como, por exemplo, a fofa da cozinheira Karenina, ou a avó super ativa da Ana, entre outros. Alguns você tem vontade simplesmente de excluir do livro, como o Artur o rolo da Ana e a Laika (que tem o melhor apelido) a namorada do Alex que eu não posso e nem vou deixar de comentar, ah o Alex (suspiros e mais suspiros).

Primeiramente quem diabos é Alex que nunca foi nem mencionando aqui ainda? Bom, o Alex é o enteado do Andrej, o pai da Ana, e como eu apelidei carinhosamente, o senhor perfeição (ok, não tenho certeza se fui eu ou Ana quem deu esse apelido, o que importa é que cai como uma luva). Pense no cara mais charmoso que vocês conhecem. Agora pensem no mais bonito com os olhos verdes mais lindos e marcantes. Pensaram? Então lhes apresento o Alex. Ele é inteligente, charmoso, sarcástico e daqueles homens que tem a capacidade de te deixar totalmente sem graça (eu lendo ficava morrendo de vergonha junto com a Ana). Ele é tudo de bom gente (meu namorado não pode ler isso).

Sobre os aspectos físicos do livro, eu tenho que dizer que eu AMEI a capa. A coisa mais linda, um ótimo trabalho. A diagramação é simples, cada capítulo tem um nome que tem a letra meio que parecida com itálico, bem elegante. Não encontrei erros, mas devo dizer que infelizmente meu livrinho veio com um defeito em algumas páginas o que me deixou bem triste, mas tudo bem acho que eu fui a sorteada da vez!

Eu poderia escrever mais um monte de coisas legais sobre o livro, por que de fato tem, mas vou me ater por aqui, por que não quero correr o risco de dar algum spoiler pra vocês. Eu só tenho a parabenizar a Marina pelo excelente livro. É muito gratificante ver que nossos autores tem um nível tão bom. Eu estou meio em dívida com os autores nacionais, na verdade não tenho lido muito, mas vou começar a ler mais, temos que dar essa forçar pros nossos escritores né?

O livro é de uma leitura muito gostosa, você termina ele em algumas horas tranquilo, eu não terminei por que to tendo que conciliar minhas leituras com a faculdade, então não posso ler sem parar como eu quero, mas a cada capitulo eu ficava querendo mais e mais. Super recomendo que vocês coloquem na lista de próximas leituras, por que vale muito a pena, sem contar que é autora nacional, vamos valorizar os bons escritores que temos aqui!
Bom, minha classificação para o livro é cinco estrelas







4 comentários

  1. Fernanda, eu adorei sua resenha. Está incrível!
    Um beijão!
    Marina Carvalho

    ResponderExcluir
  2. HAHAHAHAHAHAHAHA... seu namorado não pode ler é? acho que ele vai ter que ler o livro pra ganhar uns upgrades xP
    Adorei a resenha, como sempre você deixa clara a sua opnião de maneira respeitosa, e escreve o suficiente, talvez até muito, mas o bom humor e dinâmica empregada com certeza fazem de ler sua resenha uma experiencia animadora..
    Parabéns e apenas alguns adendos.
    1=é inevitavel fazer comparações com outras obras já lidas.
    2=autores nacionais estão subindo drasticamente no meu conceito nos ultimos anos, com reverencia especial aó Sphor e ao Draccon, e olha lá.. parece que a mulher do Draccon é uma excelente escritora também, então gostaria de aconselhar mais tres livros brasileiros para os leitores de plantão. A fada de Carolina munhoz, espadachim de carvão de Affonso Solano e Branca dos mortos e os sete zumbis de Fábio Yabu.

    ResponderExcluir
  3. Livro realmente delicioso de ser ler, daqueles de vc não conseguir largar enquanto não termina. E essa tal de Krósvia, hein? Que vontade de ir lá e assistir o show do Bon Jovi junto com a Ana. Romance leve, gostoso, que dá vontade de estar no lugar da protagonista.

    Parabéns pela resenha e pelo blog!

    adriana medeiros

    minhavelhaestante1.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Marina é provavelmente um novo talento que foi descoberto. Além de Simplesmente Ana, ao qual eu já li e gostei agora ela também está lançando "Ela é uma fera" e eu li por aí que ela já tem outro livro em mente ou escrito. Essa garota, ela vai longe, esperem pra ver!

    Sobre o livro, eu gostei bastante dele, mesmo tendo uma ou outra ressalva. E acho que ele merece o boom que fez. Mérito da autora por pensar em algo tão vendível, da editora por comprar a ideia e trabalhar em cima dela. E mérito nosso, por nos deixarmos envolver por essa história que é sonho de qualquer pessoa: afinal, quem não gostaria de se descobrir príncipe/princesa de um pequeno país no leste europeu?

    Att.,
    Eduarda Henker
    http://www.blogsomaisum.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.