Eu Li – Inferno

terça-feira, 25 de junho de 2013
No coração da Itália, Robert Langdon, o professor de Simbologia de Harvard, é arrastado para um mundo angustiante centrado numa das obras literárias mais duradouras e misteriosas da história: O Inferno, de Dante Alighieri. Numa corrida contra o tempo, ele luta contra um adversário assustador e enfrenta um enigma engenhoso que o leva para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística. Tendo como pano de fundo poema de Dante, e mergulha numa caçada frenética para encontrar respostas e decidir em quem confiar, antes que o mundo que conhecemos seja destruído.

Autora: Dan Brown
Título Original: Inferno
Série: -
Editora: Arqueiro
Páginas: 448
Skoob

- Jonas, estou meio encrencado e preciso de um favor. – A voz de Langdon soava tensa. – É sobre seu cartão corporativo NetJets.

- NetJets? – Faukman soltou uma risada incrédula. – Robert, nós trabalhamos com edição de livros. Não temos acesso a jatinhos particulares.

- Nós dois sabemos que isso é mentira, meu caro.
Faukman de um suspiro.
- Está bem, vou reformular. Não temos acesso a jatinhos particulares para autores de livros sobre história religiosa. Se quiser escrever Cinquenta tons de iconografia, aí podemos conversar.
Capítulo 60; Páginas 250 e 251.


No meio da noite, o nosso querido (ou pelo menos meu querido) professor de História da Arte, Robert Langdon acorda em um hospital.  E como se não bastasse o ferimento a bala na cabeça, após olhar pela janela do seu quarto, ele percebe que não está mais nos Estados Unidos, e sim em Florença, e não se lembra de nada que aconteceu nas últimas 36 horas. Mesmo atordoado, ele procura por ajuda, e então conhece o Dr. Marconi e a Dra. Sienna Brooks.

Mas, pelo jeito, quem fez o ferimento a bala em sua cabeça está de volta, e desta vez para terminar o serviço. Langdon então se vê obrigado a fugir e terá a ajuda de Sienna, que também está com um objeto encontrado nas roupas do professor quando este chegou ao hospital. Objeto que os levará a uma caçada por um psicótico, obcecado pelo fim do mundo e também pela obra literária, A Divina Comédia. 

Langdon se sentou na cama com as costas eretas, fazendo com que a cabeça quase explodisse de dor. Lutou contra o latejar violento e fixou o olhar na torre.

Conhecia bem aquela estrutura medieval.

Era única no mundo.
Infelizmente, porém, ficava a quase 6.500 quilômetros de Massachusetts.
Capítulo 1; Página 20

Sou um fã incondicional do autor, mas comecei a ler o livro com certo receio, afinal, após ler O Símbolo Perdido, fiquei com a sensação que o autor não poderia mais me impressionar. Ah, como eu estava enganado. Nada menos que fantástico, define este livro.

Sua narrativa continua bem elaborada e cheia de emaranhados, e o autor faz isso tão bem, que deixa o leitor ávido, empolgado e sedento. Brown, com seu jeito único e espetacular, fez com que eu lesse páginas e mais páginas e nunca estivesse satisfeito. Ele sabe aguçar a curiosidade e mesmo que sua narrativa seja bem densa, com poucos pontos de humor, sua genialidade neste livro é fora do comum. Por mais que sua narrativa seja bem descritiva, ele consegue colocar agilidade nos acontecimentos de uma forma que me agradou bastante.

Sem dúvida, assim como em todos os outros livros do autor, a essência da história é original, muito bem trabalhada e cheia de fatos e acontecimentos históricos surpreendentes e seguindo um padrão harmonioso até o fim. Somos levados a conhecer ainda melhor Florença, e como o forte do autor é a descrição, nada passa de forma confusa.

Langdon ficou observando, consternado, o gesso-cré dissolvido turvar a água da pia batismal. São João, nos perdoe, pensou, incomodado com o fato de aquela fonte sagrada estar sendo usada como tanque.

Capítulo 58; Página 242.

Os personagens que encontramos nas páginas de Inferno são muito bem trabalhados, a ponto de nenhum ser o que aparentemente é. E é isso que faz de Dan Brown um dos meus autores preferidos, ele surpreende, traz histórias importantes sobre cada um, e no final, nos mostra a verdadeira face de todos. É um dos poucos autores que tem o dom de surpreender e o melhor de tudo, sabe fazer isso com maestria.

Diferentemente dos outros livros do autor, preparem-se para um final chocante e que tenho certeza, inesperado para todos que começam a ler a obra. E o final só é assim, graças a forma com que o autor trabalha o tema durante todo o livro. Umas das coisas que mais me agradou, foi o fato deste livro ser mais trabalhado no ponto de vista biológico, então, está mais do que indicado para aqueles que trabalham ou estudam na área da biologia como eu. E também, não posso esquecer-me de citar todas as críticas sociais que podemos perceber nas entrelinhas e que levam o leitor a refletir sobre bastante coisa.

A capa deste livro é sem dúvida linda, a diagramação segue os padrões anteriores, e cheguei a encontrar dois ou três erros de revisão, mas nada que atrapalhe a leitura. Inferno é sem dúvida alguma surpreendente e único, e me fez perceber que Dan Brown pode continuar a fazer seus leitores sempre pedirem por mais.





2 comentários

  1. Estou louco por esse livro. Esses dias ele estava tão barato no Kobo, em e-book, mas acabei me rendendo ao Neil Gaiman...

    Ele será o próximo!

    http://www.cabecadetinta.com

    ResponderExcluir
  2. Kold, não sei o que pensar sobre este livro após ler a sua resenha. Meu coração está confuso e querendo muito entrar em contato com a narrativa de Dan Brown, aliás, eu vou começar é agora. A sua resenha aguçou a minha curiosidade e em alguns pontos me deixou arrepiado e sedento por mais. A maneira como você narra os fatos e insere a sua opinião neles é incrivelmente avassalador! Eu preciso colocar um ponto final neste comentário e ir ler "Inferno", haha.

    Um abraço, http://umleitoramais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.