Eu Li – A Ordem Perdida

sexta-feira, 17 de maio de 2013

A Liga dos Yethis traz consigo o espírito de seis jovens guerreiros que precisam encontrar a Ordem. Um pequeno artefato que não demonstra o quanto a existência da humanidade depende dele. Ável com seus amigos terá de enfrentar inúmeros inimigos, diversas dimensões e poderes; além da fúria dos deuses adormecidos. Acompanhe a corajosa trajetória desse grupo que promete não desistir de sua busca.

Autor: Gabriel Schmidt
Título Original: A Ordem Perdida
Série: A Ordem Perdida
Editora: Novo Século
Páginas: 168
Skoob

- Seu pai também criou as ovelhas – afirmou Célebe.

- Pensei que quem tivesse criado as ovelhas fosse o deus dos animais.
- Seu pai é um apreciador de ovelhas, alguns dizem que ele fez as ovelhas inspirado nas nuvens; outros já falam que, inspirado nas ovelhas, ele fez as nuvens. Aí vem a questão, quem veio primeiro, a nuvem ou a ovelha? – Ela e eu demos umas gargalhadas. – Preciso ir. Já está na hora de dormir. Boa noite.
Capítulo Seis; Página 46. 

Ável tem apenas treze anos, mas por ser filho de um Deus, terá de ingressar em um mundo cheio de surpresas. Após receber uma visita, e lutar contra seus amigos, ele é levado para o castelo, onde todos os Yethis – aqueles que são filhos de Deuses – aprendem a controlar seus poderes e a lutar como guerreiros. Tudo é novo, e o garoto está encantado, mas após um acidente, as coisas ficam feias para o seu lado.

O garoto, para não morrer, terá de ir em uma missão, juntamente com alguns escolhidos. A Ordem foi roubada, e esse é um item valioso, se cair em mãos erradas, o mundo pode entrar em uma grande guerra. A missão de Ável é encontrar o ladrão, resgatar a Ordem e levar de volta para o castelo, mas essa não será uma jornada fácil.

Assim que olhei para a capa deste livro fiquei encantado. De alguma forma ela aguçou a minha curiosidade, e eu logo pude perceber, assim que comecei a ler, que tem tudo a ver com a história. O livro é narrado em primeira pessoa por diversos personagens, o que acaba tornando-o bem dinâmico. Com isso, o livro que já não é grande, tem apenas 168 páginas, acaba que passando bem rápido. A escrita do autor é envolvente em alguns pontos e fez com que eu ficasse aflito em passagens de lutas.

O autor nos apresenta vários personagens, cada um com sua história que conhecemos pouco, mas o bastante para torcermos por alguns e ficar surpresos com revelações sobre outros. Porém, por mais que alguns personagens entrem no ritmo da historia, senti que alguns deles não se encontravam na mesma sintonia. E, também, o grande número de personagens que narram a história, pode deixar o leitor confuso.

O Gabriel tem uma escrita leve, divertida e rápida, mas o fato do livro ser tão pequeno, para mim foi um problema. Senti a necessidade de mais informações, de passagens mais trabalhadas, e principalmente, de mais cuidado e informações sobre os personagens. Não consegui me ligar diretamente a nenhum, justamente por sentir como se fossem todos estranhos e tivessem sobrando em suas próprias atitudes.

A diagramação do livro e muito fofa, toda cheia de detalhes e não encontrei nenhum erro de revisão. A minha nota para o livro é duas estrelas. Por mais que tenham pontos positivos, a história não funcionou para mim. Para quem gosta de livros curtos, com histórias rápidas, pouco ligadas a detalhes e diálogos superficiais esse livro vai agradar. Eu indico para as crianças, que vão adorar aventuras dos Yethis.








4 comentários

  1. Kold, meu caro! Saudades de passar por aqui...
    Bom, primeiramente devo lhe dizer que a resenha está impecável. A maneira como você abordou a narrativa do autor e o enredo do livro me deixaram louco para lê-lo, até o momento em que li as partes negativas. O fato de o livro ter poucas páginas não me incomoda muito, mas quando você falou que "faltaram informações" eu pensei: " - Não vou gostar do livro, de jeito nenhum.".
    A premissa é muito interessante e a capa é linda demais! Talvez, em um futuro não muito próximo eu me arrisque na leitura de "A Ordem Perdida", talvez...

    Grande abraço, http://umleitoramais.blogspot.com.br/.

    ResponderExcluir
  2. De fato a resenha foi justa.. e conseguir elogiar sinceramente o livro e ainda dar 2* certamente me faz pensar que o julgamento foi sincero.
    Consigo só pela resenha identificar centenas de referencias e influencias. Não é um livro que eu ficaria louco para ler, mas acho que o tamanho dele acaba sendo uma vantagem.. pois para quem tem listas enormes 168 paginas podem ser zeradas em um dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui temos outro caso de autor criativo, mas que infelizmente usou artifícios bem conhecidos e até mesmo iguais a de outros livros. Só que o livro é fofo, divertido e tem toques pessoais do autor, por trás de tudo tem uma história bacana que poderia ter sido melhor explorada.

      Elder Koldney

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.