Eu Li – A vez da minha vida

terça-feira, 23 de abril de 2013
Certo dia, quando Lucy Silchester volta do trabalho, encontra um envelope de ouro no tapete. Há um convite dentro dele para se encontrar com a Vida. Sua vida.
Pode soar peculiar, mas Lucy leu sobre isso em uma revista. De qualquer forma, ela não pode ir ao encontro: ela está muito ocupada desprezando seu emprego, fugindo de seus amigos e evitando sua família.
Mas a vida de Lucy não é o que parece. Algumas das escolhas que fez – e histórias que contou – também não são o que parecem. Desde o momento em que ela conhece o homem que se apresenta como sua vida, as meias-verdades serão reveladas totalmente, a não ser que ela aprenda a dizer a verdade sobre o que realmente importa.
Lucy Silchester tem um compromisso com a sua vida. E ela terá de cumpri-lo.


Autora: Cecelia Ahern
Título Original: The time of my life
Série: -
Editora: Novo Conceito
Páginas: 384
Skoob

 - Sim – Disse vagamente. Estendi minha mão. – Então, temos um acordo? Eu não minto e você observa?

Ele ficou pensando.
- Quero acrescentar algo.
Deixei minha mão cair.
- Claro que quer!
- Cada vez que mentir, revelo uma verdade? – Ele estendeu a mão. – Fechado?
Pensei na proposta e não gostei nenhum um pouco dela. Como eu poderia prometer que nunca mentiria de novo? Poderia, sim, tentar não mentir, mas, se eu chegasse a um acordo com ele, pelo menos eu teria a bola no meu lado do campo e ele não ficaria rodeando minha vida como um elefante numa loja de cristais.
- Ótimo. Temos um acordo. – Apertamos as mãos.
                                                                                                      Página 155, Capítulo 13



Você está tranquilo em casa e eis que batem a sua porta, ao abrir você se depara com uma pessoa estranha, mal vestida e com mau hálito e para sua surpresa ela se declara sua vida, o que você faria? Maluco não é?
Bom é quase isso que acontece com a Lucy Silchester uma moradora de Dublin com quase trinta anos e que aparentemente tem uma vida normal e sem problemas. Só que não!
Lucy começa a receber cartas que marcam o encontro dela com sua vida, mas que ela ignora completamente, motivo pelo qual as cartas não param de chegar. Ate que um dia ela resolve retornar e marcar o tal encontro.

Ansiosa para se encontrar com sua vida ela escolhe a melhor roupa possível, - que diga ao mesmo tempo “eu tenho uma vida bem sucedida e tranquila” e, “por favor, não me procure nunca mais” - e ao se deparar realmente com ele - sim, a vida de Lucy é um homem! - fica em choque de ver como sua vida é rude, cansada e sem estilo. Na conversa com sua vida, ao ser apresentada a vários de seus erros e ao receber respostas bem grossas - e de ser grossa também - ela resolve ir embora e não se encontrar mais com sua vida, ignorando o acontecimento.

Qual o resultado?
Mais e mais cartas, que chegam não só pra ela, mas para seus colegas de trabalho e seus familiares, e ainda sim ela ignora. Ate que um dia, após uma ligação de sua vida a alertando, Lucy passa por uma grande roubada no trabalho, fruto de uma de suas tantas mentiras, e acaba retornando para a sua vida e aceitando entrar em um acordo com ela e aceitar a sua companhia.

A partir dai muitas verdades são reveladas - não pela vontade de Lucy -, amizades são balançadas e confissões verdadeiras são feitas a um completo desconhecido. E nesse processo Lucy percebe que para você estar realmente bem, você tem que se preocupar, cuidar e ter uma boa relação com aquilo que vai influenciar todo o resto, a sua vida. 

- Vamos lá! – Tomei-o pela mão. – Vamos nos aconchegar no sofá de novo.

- Não.  – ele me soltou e riu. – Não vou ficar aqui o dia todo, vou tirar o resto do dia de folga.
- O que você quer dizer? Aonde vai?
Ele sorriu.
- Eu também preciso de um descanso.
- Mas aonde você vai? Onde você mora? – Olhei para o céu e acenei com a cabeça. – É La em cima?
- No andar de cima?
- Não... Você sabe! – Acenei com a cabeça para cima de novo.
- No céu? – Ele abriu a boca mais larga do que jamais havia visto uma pessoa abrir e riu. – Ah, Lucy, você realmente me faz rir!
                                                                                                      Página 193, Capítulo 16

O que eu posso dizer? Mais uma vez a Cecelia me surpreendeu e muito!
A história é narrada em primeira pessoa logo você tem uma visão somente pelo ponto de vista da Lucy e ela, me rendeu ótimos momentos de boas risadas. A tentativa dela de convencer a todos que esta tudo bem com ela e ao mesmo tempo afastar todo mundo pode ser interpretada como um pouco depressiva às vezes, mas a tentativa dela de se enganar e de tentar enganar o leitor contando um fato bonitinho de sua vida - que causam suspiros e dizeres de “ah que fofo” - e logo em seguida dizendo “ok, eu menti” - isso fica tão frequente que depois de um tempo você já sabe quando a Lucy esta mentindo - é bem engraçado em alguns momentos.

Mas nem sempre o livro é tão bom assim, o que confesso me deixou preocupada. Eu sei que não devemos comparar uma história com outra, mas depois que li P.S. Eu te amo da Cecelia criei muita expectativa em cima dessa outra história dela e quando os quatro primeiros capítulos foram bem chatinhos e sem graça eu pensei “gente, será que essa é a mesma pessoa que escreveu umas das historias mais lindas que eu já li?”. E sim minha gente é a mesma pessoa - Claro né xD - e mais uma vez ela conseguiu ser genial, depois que a Lucy conhece sua vida as coisas começam a melhorar e logo em seguida quando ela aceita a ajuda da sua vida, ai sim a coisa fica realmente boa. A partir dai a leitura flui que é uma beleza e quando você se da conta, terminou o livro.

 Alem de a Lucy ser uma figura, tem outros personagens muito engraçados e marcantes também, claro que não posso deixar se citar a vida de Lucy, ele é bem engraçado e é uma das duas pessoas - já cito a outra xD - que consegue lidar realmente com a Lucy. Ele não tem vergonha de revelar o que ela pensa das pessoas e isso causa uma confusão e muitas risadas - do leitor claro, a Lucy tem vontade de matar ele por isso.

O outro personagem que consegue lidar com a Lucy e o único com quem ela é realmente sincera é o Don Lockwood - a explicação desse nome é muito boa - e o fato mais importante, a Lucy não o conhece nem ele conhece a Lucy o que torna tudo muito interessante. Tem outros personagens bem legais também - ou não -, alguns familiares da Lucy - o pai dela é simplesmente um ogro insuportável, então ele não entra na lista -, alguns amigos, o ex-namorado, a vizinha - a historia dela é de dar dó - como eu costumo dizer, só lendo pra você se identificar, gostar ou amar outro personagem.

Falando um pouquinho dos aspectos físicos do livro em si, a capa eu não gosto muito, tirando a foto das cartas na parte de baixo eu acho que não tem muito a ver, a menina da capa não lembra a Lucy, enfim. Gosto da parte de trás da capa, é diferente da frente e tem um aspecto de papel reciclado com umas folhas e tal. Gostei, acho que o livro podia ser todo daquele jeito, até por que a frente e o fundo não combinam muito - minha humilde opinião -. A diagramação é simples, sem erros de português, concordância ou impressão - graças a Deus - os capítulos não tem nome e tem um desenho simples e delicadinho.

Bom, o livro é ótimo faz você pensar em como você tem levado sua vida e como as outras pessoas enxergam você e se preocupam contigo. Faz você pensar na dimensão que uma mentira pode tomar - e pensar nas mentiras que já contou também, afinal ninguém é de ferro né gente =P - e principalmente mostra que o mais importante é que você deve sempre se preocupar e cuidar da sua vida e uma vez que ela esteja bem, todas as outras coisas boas acontecem consequentemente.

Minha classificação para o livro é quatro estrelas.



Beijos e até a próxima.


1 Comentário

  1. Pelo visto a Cecilia segue um certo padrão.. isso pode ser negativo se ela fizer obras demais.. Gostei da proposta, não sei por que mas me lembrou do Vendedor de sonhos, onde temos uma pessoa completamente aleatória ensinando outras a viver xP
    Como sempre vou roubar emprestado pra sempre esse livro de você e vou ler no futuro Nanda HAHAHAH.
    Amei a resenha, grande, de fato, mas perfeita. Não contou mais do que devia e se focou no que era importante.. Você é uma vendedora nata e acabou de vender um livro xP

    ResponderExcluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.