Eu Li – Ainda Não Te Disse Nada

sexta-feira, 8 de junho de 2012
Ninguém mais escreve cartas hoje em dia", Marina pensava. Até que um dia uma caiu em suas mãos por engano e mudou o rumo de sua vida. Levou-a ao lugar que ela sempre sonhou. E a conhecer o amor do jeito que nunca imaginou, da forma mais improvável do mundo...


- O Luca? Nem a pau, de novo! Não é só porque tem o rosto mais ou menos bonito que vai conseguir. Dizem que sair com professor dá azar na vida profissional.

- Tu é fresca mesmo, não? Metade da faculdade sairia com ele. E, da metade que sobra, mais da metade também sairia. O moço só faltou desmaiar de emoção quando você entrou na sala. Até perdeu o rumo, coitado! Confundiu Teleobjetiva com Olho de Peixe. Chamou a Isabeli Fontana de Gisele Bündchen. Rebaixou uma pantalona da Chanel a uma calcinha furada. E “rosto mais ou menos bonito” você está desdenhando, né? – Caiu na gargalhada.

Capítulo 7; Página 24 e 25.


Marina deixou o interior e mudou-se para São Paulo em busca do seu sonho. Não queria o legado do seu pai que era padeiro, e sim ser uma estilista famosa. Agora ela está no penúltimo período de Moda, e trabalha em uma agência dos correios, onde tem como amiga Dona Jane. Está sempre ao lado de suas melhores amigas e que estudam na mesma sala, Thaís e Francesca. Em mais um dia de trabalho Dona Jane diz que hoje em dia quase ninguém manda mais cartas, que com a internet tudo ficou mais fácil. Marina, que é deste nosso tempo computadorizado é claro defende o e-mail.

E então naquele dia, uma pessoa chama a atenção de Marina, uma menina que está enviando uma carta, e que volta na semana seguinte para enviar mais duas.
Em uma das vezes que estava tomando suco na padaria de um amigo, ela vê a mesma menina escrevendo uma carta. Curiosa ela se aproxima e puxa conversa. A moça lhe explica que ela é dona de uma empresa chamada O Anjo Carteiro, onde pessoas a contratam para enviar cartas fingindo ser alguém que para elas, foram importantes no passado. Encabulada, ela começa a fazer perguntas e conhece melhor esse trabalho.

Marina terminou a conversa fascinada. Só que a garota some, não vai mais postar cartas. Algum tempo depois, quando uma carta chega para uma caixa postal e ninguém vai buscar, ela descobre que a dona era essa menina que nem o nome ela havia perguntado, e que a moça havia falecido. Marina então acaba que por curiosidade abrindo a carta que é de Heitor, um apaixonado que agora estava reencontrando mesmo que por cartas seu único amor na vida. Depois de muito pensar, ela decide responder as cartas, e aos poucos vai se apaixonando por aquela pessoa que encantava com as palavras.

Começa a dividir com ele, mesmo sem Heitor saber, suas frustrações, e tristezas. Agora os sentimentos nas cartas são os dela. Em meio a tudo isso, temos a sua carreira no mundo da moda, o convívio com as amigas e um namoro recente que já não anda muito bem. E sem saber, Marina está sendo vítima do destino, que mesmo incerto, está lhe trazendo grandes transformações.

''Os dois foram enganadores e enganados ao mesmo tempo, mas o destino faz das suas e, em se tratando de destino, nada é certo, nada é errado. Apenas é, não há explicação.''

Capítulo 74; Página 222.

Quando um livro te conquista não tem jeito, mesmo nas primeiras páginas você já está totalmente envolvido com o personagem e sente tudo junto com ele. E este livro me proporcionou uma coisa que poucos fizeram, me deixar ligado com um personagem principal. Na maioria das vezes sempre gosto mais dos personagens secundários, mais desta vez, Marina foi alguém com quem eu gostaria muito de conversar por horas e horas. Isso mostra o quanto a personagem foi bem construída. Não apenas elas, todos os outros que tem características fortes e marcantes. Desde sua família até amigas como Thaís, uma escritora que não está em um relacionamento amoroso muito bom.

Em meio a história de Marina, somos apresentadas a várias outras, podemos ver em várias perspectivas. E isso me agradou muito, porque às vezes, uma história focada apenas na personagem principal cansa. Adorei conhecer Francesca e Thaís, melhores amigas da protagonista. Quando elas se juntavam, parecia que eu estava ali também, em uma conversa com elas, sentado em uma mesa de algum bar. A narrativa fluiu muito bem, e posso dizer que conquista o leitor. Não consegui parar de ler. Sempre que terminava um capítulo queria o próximo e assim como Marina, saber as respostas para suas cartas.

Uma das coisas que também me conquistaram foi o final, não vou dizer nada aqui é claro, mais fugiu do final perfeito para a personagem principal, que todos estão acostumados. Marina é um ser humano como qualquer outro, com certeza ainda terá de enfrentar muitos desafios depois do fim da história, principalmente na sua área profissional. Sim, não tem jeito me apaixonei pela história, por Marina, por todas as histórias dos personagens, e também a série de musicas que o autor usa durante o livro.

A capa é linda, quando você termina o livro e a analisa novamente, percebe o quanto da história ela carrega e a deixa ainda mais rica e em sintonia com a história. A diagramação é simples, e a revisão primorosa. Porém, acho que o ponto negativo do livro foi a falta de notas de rodapés. Algumas frases então em italiano, e outras já quase no fim em francês. Me peguei várias vezes indo no tradutor para verificar o significado, se tivesse ali no rodapé não teria tido esse trabalho, e para quem não tem nada que ajude em uma tradução e não tenha nenhuma base nessas duas línguas, isso pode ser um empecilho.

Ainda Não Te Disse Nada é uma história que poderiam ser a do seu visinho, cheia de encontros e desencontros, conquistas e derrotas e que contém um amor soprado pelo destino. Com dor no coração, mais tendo que pensar em termos gerais, darei quatro estrelas por causa do ponto negativo que citei, ele realmente me irritou.


Livro: Ainda Não Te Disse Nada
Autor: Maurício Gomyde
Editora: Porto 71


Nenhum comentário

Postar um comentário

 
Desenvolvido por Michelly Melo.