Eu Li - Binno Oxz e o Clã de Prata

quinta-feira, 10 de novembro de 2011
Binno Oxz é um garoto inteligente, curioso e ousado, aluno de um internato, vive numa colônia de casas velhas. Carroça e carros antigos. Uma igreja. Um cemitério. Um campo de futebol. Computadores ultrapassados. Internet lenta. Aos olhos de um garoto, uma vida normal e tediosa, bem parecida com uma atual cidadezinha do interior, contudo nada disso é parecido com nossa realidade, estamos em um futuro hipotético, onde o mundo teve quase toda sua superfície coberta por água e os IA – Programas de Inteligência Artificial – são os responsáveis para ajudar os seres humanos sobreviventes nas decisões diárias. 


- Quantas pessoas vão dividir este quarto comigo? – Binno se atirou no quadrado macio e esticou as costas, se espreguiçando.
- Esse é o seu quarto. Ninguém mais vai dormir aqui.
Binno se sentiu extasiado.
- Essa cama enorme é só para mim?
Kira soltou um risinho abafado.
- O que foi? Do que você está rindo?
- Essa não é a sua cama – a garota se esforçava para ficar séria. – É o tapete.
Capítulo 8 – O Primeiro dia; Página 105.

Antes de começar a resenha eu tenho que expor a minha tristeza em relação à entrega do livro. Nenhum livro havia chegado tão danificado quanto este. Amassado, sujo e principalmente com as páginas se desfazendo, parece que o livro caiu, ou jogaram, em água. Quando abri o envelope quase chorei, e para vocês verem, e perceberem que não é exagero, logo abaixo tem algumas fotos tiradas do livro. Estou inconformado com os correios, que entram em greves pra receber aumento, e na hora de manusear corretamente as nossas correspondências, deixam a desejar. Se alguém souber um modo válido de reclamar, por favor, deixem em um comentário nesta resenha. 


     É na Colônia de Uttopy, no Internato de Educação Técnica, que vive Binno Oxz, juntamente com outros órfãos. O garoto odeia este lugar onde é tratado com desdém por todos. Vive em uma época onde IA’s, softwares criados por computadores, é que fazem tudo pelos habitantes. No Internato, está o IA que Bino mais odeia, o IA Big Mãe. Depois de ser pego em uma conversa por bate papo no meio de uma prova com Gabriel que ele não gosta nenhum pouco, os dois vão para o castigo, até Binno ser levado do Internato a mando de Shwartz, governador de Uttopy. No meio do caminho o carro sofre um acidente e o Garoto foge e em sua ajuda ou não, aparece Orion Sirineu, que quer leva-lo para ser julgado pela Aliança Maior, sob o crime de ter criado um IA que liberou o grande Hefesto Xenon da prisão.

     Ele tenta fugir mais muda de ideia e vai para o Palácio com Orion. Lá o garoto é julgado na Câmara de Desoxigenação, porém ganha uma chance de mostrar para todos que não é um Clone, e sim um ser verdadeiro. Binno então faz amizade com Kira Bellah e Gabriah Obé que perece muito com Gabriel, e começa a estudar no Curso Pré-Maior para realizar a Prova Maior que decidirá se é o não um Clone. Durante sua jornada no Palácio, o garoto encontra pessoas boas como Ítalo Belah pai de Kira e Doutor, e a incrível inventora Madame Anay.

     Porém o tempo de paz logo acaba e uma guerra começa a ser travada contra a Aliança e então o nosso herói com a ajuda de seus amigos e um pirata, o Spike, tentarão salvar toda a sociedade do programa que Binno criou e de seu verdadeiro dono, Hefesto Xenon.

     Nem sei por onde começar, ainda estou inteiramente ligado ao mundo que o Fábio criou. Vamos começar pelo livro, que tem a capa linda e por dentro foi todo trabalhado para nos dar a impressão que realmente estamos dentro de um mundo onde a informática é que manda. A história é simplesmente original e te prende, te deixa sem respiração, foi o meu caso quando Binno estava na Câmara de Desoxigenação, te faz dar boas gargalhadas e principalmente te faz vibrar a cada página. O cuidado ao montar cada personagem é algo que conferi a cada apresentação, algum leitor vai gostar de algum deles, tem desde aqueles bobinhos aos gênios, Binno é um exemplo da segunda opção.

     Por falar nele, qual não foi minha alegria quando soube que ele era negro? Vamos falar sério o que mais vemos por ai é heróis de olhos verdes, branquinho e de cabelos lisos, passando a impressão que a beleza ou uma boa história só pode ser contada com eles. Essa foi uma sacada e tanto. Tudo flui muito normalmente e o que você encontra é uma ótima sequencia de muita ação, fatos inteligentes e descobertas que me deixaram boquiaberto durante muito tempo. O autor usa seus personagens, quando você acha que algum desapareceu, lá vem ele simplesmente te surpreendendo, e eu amo quando encontro isso em uma obra.

     O final não podia ser de outra maneira se não surpreendente. Se eu tivesse a continuação aqui, garanto que ia perder toda uma noite de sono pra devorar. Sendo assim, o livro merece nota máxima, e indico-o a todos que gostam de uma boa leitura. 


Livro: Binno Oxz e o Clã de Prata
Autor: Fábio Henckel
Editora: Novo Século

#Agora, com licença que vou desconectar!

2 comentários

  1. Olha a resenha aí minha gente *-*
    Primeiro quero dizer o que aconteceu com o seu livro é de querer degolar qualquer um *angry*
    Eu nem sei o que pensar, e n sei como eu reagiria. Com um livro com essa capa tão linda chegar pra vc assim D:

    sobre a resenha,
    Realmente é mt legal o personagem principal ser negro. Isso a gente vê raramente, e é uma coisa que deveria ser feita com mais frequência. Afinal de contas, não é a cor que vai fazer dele um herói né?
    Binno parece ser bem cativante! E com essas 5 estrelas que você deu, só faz minha vontade de ler o livro aumentar.
    Eu sempre quis lê-lo, mas nunca liguei a sinopse do livro a capa O.O
    abraço!

    ResponderExcluir
  2. Koldito! Fiquei mega triste quando vi como o livro chegou pra você! :( Ai, é muita sacanagem, né? A gente fica esperando, esperando, esperando... Pra o livro chegar assim. É uma pena mesmo que alguns trabalhadores do Correio não tenham o mínimo de zelo com as nossas encomendas! eu não sei uma forma de reclamar, se soubesse te ajudaria, com certeza! Mas infelizmente fico de mãos atacas com essa situação. :/

    Mas enfim, falando de coisa boa agora: A estória! Sim! \o/ Que bom que gostou do livro! Pelo visto o autor soube dosar tudo muito bem, né? Dá pra sentir aflição, emoção, rir... E gostar dos personagens! O que é ótimo! Realmente, Kold, é muito raro ter um personagem principal negro. Na maioria dos livros, como você disse, é comum o autor/autora fazer questão de descrever o protagonista como sendo lindo, maravilhoso, charmoso... Mas nunca falam que é negro. Sei lá, parece que é o preconceito ainda enraizado em todo mundo, né? Mesmo que muitos tentem mostrar a todo custo que não são. Mas, vamos parar com as divagações, rs.
    Bom Kold, mais uma vez, que boooom que gostou do livro! Tomara que você possa ler a continuação logo! E que seja tão bom quanto!

    Beijão!
    Amanda
    <3

    ResponderExcluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.