Entrevista com Flávia Simonelli

terça-feira, 16 de agosto de 2011
Flávia que é parceira do nosso blog, autora de Paixão e Liberdade, além de outros livros como A porta.






Quando você realmente percebeu que escrever faria parte de sua vida?

Sabe, Elder, existem coisas na vida que movem o coração. É diferente
de um interesse mental, intelectual. Desde menina ficava fascinada com
bibliotecas, livrarias, nomes de escritores. Tudo ali tinha uma magia
inexplicável que me atraía. Eu tinha sim o sonho de escrever, sabia
que era um mundo que me pertencia, mas parecia muito distante. Chegou
mesmo a ser apenas um sonho que pude realizar (felizmente!) com a
publicação do meu primeiro livro. Pois escrever exige muita motivação
interna e auto disciplina, já que ninguém diz o que você deve fazer,
nem quando, nem como... É um trabalho livre e criativo e quem dá a
resposta é o leitor, quando a história já está terminada e publicada!
Ou seja, depois de um longo processo.


Quem é o seu escritor(a) favorito(a)?

Essa pergunta sempre vem... E eu sempre fico pensando " de quem vou
falar agora" ? Tantos já escreveram tanto e incrivelmente bem! Mas vou
te dizer que quem me inspirou muito pela sua maneira de expressão foi
Marcel Proust. Gosto muito das reflexões no meio da narrativa, que nos
fazem pensar na própria vida. Muitas pessoas não vão concordar comigo,
mas a literatura para mim não tem o papel de ser apenas
entretenimento. A literatura pode ser um caminho para dentro, para
novas descobertas sobre si mesmo.


Qual o melhor livro que você já leu e porque?

Vários e todos me fizeram refletir. Lembro-me que aos vinte anos mais
ou menos li O fio da Navalha. Impressionou-me muito, mas não posso
dizer que foi o melhor livro que já li. Adoro também as biografias de
pessoas que admiro, e uma delas é Memórias, Sonhos e Reflexões de Carl
Gustav Jung. Enfim, difícil selecionar, também porque cada leitura
pertence a uma fase da vida, ao momento em que foi feita, e é muito
comum ler o mesmo livro anos depois e julgá-lo completamente novo.

 Qual a primeira obra que você escreveu?

A Porta, esgotado atualmente.

Qual as dificuldades encontradas para lançar o primeiro livro?

Todas! O primeiro passo é enviar os originais para uma leitura crítica
e revisão, depois, entrar em contato com editoras que publicam livros
do mesmo gênero e a partir daí só resta esperar...
 
Falando sobre seu projeto mais recente, Paixão e Liberdade, como 
surgiu a ideia de escrevê-lo, como foi com a editora?

Bem, Paixão e Liberdade traz um tema ainda muito presente para mim.
Como podemos ser livres se carregamos dentro de nós tantas
dependências? E aí entram as dependências de todo tipo, como a
necessidade de aprovação, a necessidade de reconhecimento, a
necessidade do amor, além de tantas outras necessidades mais
materiais. Não digo que se pode viver sem tudo isso! Mas é a maneira
de se relacionar com o mundo externo e com os outros que pode mudar,
quando descobrimos o que somos em essência. E a vidaé sábia. Quando
temos confiança interna a ponto de nos sentirmos livres, as situações
que sempre se repetiram quase como um fatalismo, deixam de surgir.
Acredito que podemos ser ativos em nosso destino. Aí reside a
liberdade.

Você tem um personagem que se dedicou mais neste livro por algum 
motivo?

Não, eu queria trazer personalidades diferentes, com vivências
diferentes, mas que tivessem o mesmo questionamento, a mesma busca
pela liberdade.

Você concorda que se uma amizade é verdadeira, não importe o tempo 
que passe, e mesmo as pessoas estando distantes, ela continuará firme 
e forte?

Claro que sim! Existem pessoas que são para sempre...

Sabemos que existem muitos talentos nacionais espalhados por ai, 
deixe um recado aqueles que querem se tornar escritores.

Ser persistente, pois se a escrita for realmente aquilo que o
entusiasma, acredite, os caminhos surgem!
 
Pretende continuar escrevendo? Já tem algum novo projeto que está 
trabalhando no momento?

Sim! Tenho um livro terminado ainda para ser publicado.

Flávia, muito obrigado pela parceria, pela entrevista e por 
acreditar no nosso blog. Amei o livro e pretende continuar lendo todas 
suas obras. Boa sorte na sua carreira.

Muito obrigada a você, Elder, que valoriza a literatura e a incentiva!

1 Comentário

  1. Ah, que bacana a entrevista Elder!!
    A Flávia é uma querida né?! O livro dela, "Paixão e Liberdade" foi um dos primeiros que li este ano e gostei bastante. Tenho interesse em ler "A Porta" pena que está esgotado... e assim como você tb pretendo continuar acompanhando o trabalho dela!

    Beijão!
    Sucesso pra Flávia e pra você! :D

    ResponderExcluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.